fim




Vai demorar muito tempo até as minhas lágrimas secarem, até a ferida deixar de doer como dói. Perdi a minha identidade e a crença em mim própria, o meu chão tornou-se no mais instável possível. 
Passei a vida a acreditar para que tudo o resto pudesse fazer sentido, para que nada se tornasse banal. Errei. Quis acreditar e caí na asneira de não te virar as costas quando devia. Apaixonei-me sem querer por a pessoa que pensava ser a tal. Agora só tenho medo que este pesadelo nunca acabe. Tenho medo que não me sentes no teu colo no jardim, que não me acordes para me dizeres que o pesadelo terminou. Medo de acordar e ver que afinal é esta a nossa realidade, como um destino imposto por ti. A verdade dói, a verdade é clara e nunca tem dó, mas de certeza de que teria sido mais justa, tanto para mim, como para ti. 
Prefiro que não me digas mais nada. Deixa-me digerir isto, deixa-me habituar-me à dor como se fosse um dos piores venenos mortais existentes. Depois podes dizer-me dessas tuas palavras que não me aquecem. Deixa-me chorar tudo o que houver para chorar, gritar tudo o que tiver de gritar, para no fim deixar para trás o que não interessa, e seguir em frente, como já devia ter feito.

2 comentários:

R. disse...

oh princesa, então? forçaaa, sim? *

karina disse...

exactamente :)
adoro completamente o teu blog! adoro tudo o que escreves. espero que tudo passe, querida annie